MINHA VIDA

MINHA VIDA
NOSSO MONTINHO PERFEITO

NOS ACOMPANHE!!!

Quantos passaram por aqui

quarta-feira, 27 de maio de 2015

A IMPORTÂNCIA DA ROTINA COM AS CRIANÇAS


Desde que meus filhos nasceram, ainda na UTI, ja viviam uma rotina severa que as enfermeiras organizaram.
Quando foram para casa, seguindo orientação dos médicos e enfermeiras, mantive a mesma preocupação com a rotina, o que me ajudou demais com 4 bebês em casa.Muitas amigas quando se toram mães, me perguntam como eu fazia com os 4, se elas ficam tão cansadas (e as vezes perdidas) com apenas 1. Recém-nascido em casa cansa, independente de ser 1, 2, 3 ou 4, mas com certeza o fato de manter a rotina rigorosa, me ajudou muito.
As vezes vejo mães com 1 ou 2, que têm muito mais dificuldades que eu, principalmente na hora de dormir.
Entendo que se eu tivesse filho único, ou um de cada vez, muito provavelmente não fosse tão certinha em relação aos horários, estaria na mesma situação que a maioria das mães, mas como essa não foi a minha realidade, sempre gosto de tentar ajudar ou dar algumas dicas para as gravidinhas que me pedem.
Todos os pediatras, a terapeuta, a fono e as pedagogas, sempre me dizem que essa organização com os horários é muito positiva para eles, pois ajuda, inclusive, no aprendizado, no cognitivo, no foco, na alimentação, em vários setores importantes para o crescimento de uma criança.

·      COMO FAZIA QUANDO BEBÊS



 - mamadas programadas a cada 3 horas, incluindo as mamadas da noite. Colocava o despertador, evitando assim que eles acordassem, começassem com choro e ficassem nervosos, o que além de dificultar para voltar a dormir, ainda é ruim para uma mamada tranquila. Pegava dormindo no berço, dava mamadeira (a noite optava apenas por complemento, já que eram prematuros e já tomavam o complemento desde que nasceram), trocava a fralda e colocava de volta ao berço, muitas vezes sem eles acordarem.
* Com isso, o bebê acostuma e não chora de fome antes desse intervalo. *
 - durante o dia, seguia da mesma forma, iniciando as mamadas às 8 da manhã. Durante o dia eu também dava o peito, dava para um a cada mamada. Para não correr o risco de repetir o filho, organizava por ordem de nascimento - quem nasceu primeiro mamava na primeira mamada, o segundo na segunda e consequentemente.
- os banhos também eram sempre nos mesmos horários, assim como o banho de sol, a hora do cineminha, da música e, principalmente, das sonecas e da hora de ir para o berço.

·      TABELAS OU PLANILHAS –

- Não fiz nenhuma tabela ou planilha, pois para tudo usava o método da ordem do nascimento, então não via necessidade em fazer planilhas, como muitas mães de múltiplos. A única tabela que fiz foi a do cocô, pois como não era sempre a mesma pessoa que trocava as fraldas, poderíamos não perceber que uma criança estava com prisão de ventre. Deixei uma lousa branca com os nomes e colunas divididas entre manhã, tarde e noite.

·      CONFORME CRESCERAM –

- com o passar dos anos, as crianças passaram a ser mais independentes, claro, e  as necessidades mudaram. Não tinham mais mamadas nem fraldas, as sonecas durante a tarde acabaram e nem tinham os banhos de sol. Passaram a frequentar a escola, e ter suas atividades, mas os horários continuaram. Fazem tudo no mesmo horário – acordam, tomam café, almoçam e jantam. Tudo é feito em série. Acordo um, troco, ele vai escovar o dente, começo com o segundo, o terceiro e o último.
Passamos para o café e escola. Na volta, depois de 1 hora de brincadeira, começamos no mesmo processo: por ordem de nascimento começam os banhos. Segunda-feira quem começa é a Sophia, Terça o João Pedro… 
Em seguida jantar, TV e cama, religiosamente às 21, quando conto uma história para eles do livro 365 Historias, que tem um conto pequeno para cada dia do ano. O suficiente para eles relaxarem e dormirem felizes.





           




terça-feira, 19 de maio de 2015

FATORES ALIMENTARES PREJUDICIAIS


ALCOOL: Demonstrou-se que o consumo de álcool durante a gestação, esta associado a um padrão alterado de crescimento e desenvolvimento em filhos de mães que bebem, sendo classificado como a "síndrome alcóolica fetal". O álcool atravessa a placenta e entra na corrente sanguínea fetal, na mesma concentração que no sangue materno. Contudo, o feto é desprovido da enzima alcool-desidrogenase, que metaboliza o álcool no organismo. Desse modo, os efeitos prejudiciais do mesmo, tem um período de atividade muito mais longo no feto que no adulto. Visto que não foi estabelecido um nível seguro de ingestão de álcool, as mulheres devem ser estimuladas a abster-se durante toda a gravidez.

CAFEINA: Embora a toxicidade da cafeína não tenha ainda sido estabelecida para os fetos em humanos, sabe-se que ela atravessa a placenta e por esta razão pode ser prejudicial para o feto em desenvolvimento. Aconselha-se as gestantes a evitarem a cafeína ou a usá-la moderadamente, até a conclusão de novos estudos. O café, o chá, o cacau e as bebidas a base de cola contém cafeína.


ADOCANTES: A sacarina, o manitol, o xilitol, o aspartame e outros edulcorantes artificiais, foram submetidos a um estudo cuidadoso nos últimos anos. Foi relatado que a frequência de abortos espontâneos em população humana não esta associada com a ingestão de qualquer substituto de açúcar. Entretanto, como a sacarina se mostrou carcinogênica em ratas, parece adequada a moderação de seu uso. De qualquer forma, estudos ainda estão sendo realizados nesta área. O melhor é consultar o médico antes de fazer uso de qualquer adoçante artificial.

terça-feira, 12 de maio de 2015

TOTALMENTE BILINGUE!!!

Já falei mil vezes aqui, no instagram do quarteto (@meuquarteto) ou no meu face, que eu amo demais a espontaneidade, a autoestima, a segurança e a felicidade pura das crianças.
Não canso de assistir aos shows que eles fazem, aos vídeos que gravo deles e as musicas novas que aprendem.
Sophia dando um show de inglês! Quase uma bilíngue!!! (ps. forma delicada de tirar a irmã o seu show!)


segunda-feira, 11 de maio de 2015

MÃE É MÃE E PONTO!

Esperamos 9 meses (no meu caso, 33 semanas), nos tornamos mãe desde o resultado positivo, conversamos com a barriga, passamos a mão nela a cada segundo, sonhamos com a carinha do nosso bebê. Cantamos a mesma musica, para que ele já se acostume com a voz e a melodia, contamos os dias para mais um ultrassom e ficamos absolutamente ansiosas nas ultimas semanas, fazendo contagem regressiva.
Ficamos noites sem dormir com o peso e o tamanho da barriga, sofremos com os enjoos, azias e todas essas coisas chatinhas que muitas vezes acontecem no início da gravidez mas, mesmo assim, ainda achamos um momento sublime e único.
São sentimentos e sensações que JAMAIS, por mais que o tempo passe e que tudo aconteça, esqueceremos. Lembramos claramente do primeiro chute, da emoção ao ouvirmos o primeiro choro na hora do parto e do momento que, finalmente, temos o nosso bebê no colo para amamentá-lo, segurá-lo e amá-lo incondicionalmente, com um amor que chega a doer.
E então, após esse momento, nos tornamos – OFICIALMENTE – mãe. Ganhamos o direito de comemorar uma data tão especial. De entender as nossas mães, de chorar com apresentações da escola, mesmo que seu filho fique apenas parado, com dedo na boca ou chorando, olhando assustado para aquele monte de celular voltado para eles, de ficar noites em claro e, mesmo assim, se sentir a mulher mais forte e poderosa, de viver por e para eles.
Achamos a palavra mais linda quando ouvimos, pela primeira vez, nosso pequeno balbuciar algo parecido com mamã, mas depois reclamamos de tantas milhares de vezes que ouvimos a mesma palavra todos os dias.
Corremos, cansamos, reclamamos, sorrimos, ficamos com medo, beijamos, brigamos, abraçamos, gritamos e, quando olhamos nossos anjinhos dormindo, ficamos parada ao lado ou em pé na porta admirando, como se cada noite fosse a primeira vez.
Quem nunca viveu essas ou algumas dessas emoções? Mãe é mãe e ponto! Mãe é uma palavra curta e muito complexa, sem muita explicação, por isso que MÃE É MÃE!
Com a benção de ter recebido, naturalmente, quadrigêmeos maravilhosos e muito, muito especiais, vivo intensamente cada um desses sentimentos, como senti em mais um dia das mães.
A apresentação na escola, que a cada dia está ficando mais fofa, os 4 presentes feito com tanto amor por eles, que estão ficando cada vez mais elaborados, o carinho de tantos beijos e abraços no dia das mães, com toda minha turma empoleirada na cama, do jeitinho que eu amo.
Por mais complicada que seja a responsabilidade de criar, educar, ensinar quadrigêmeos, só posso agradecer a cada dia por ter sido escolhida para essa difícil, porém prazerosa e recompensadora tarefa.

Parabéns para todas as mães, da forma que for, de coração, de criação, de bicho, de muitos, de um,  mãe é mãe!


quarta-feira, 6 de maio de 2015

ALIMENTAÇÃO NA GESTAÇÃO

por. Lara Natacci

A gestação determina um aumento das necessidades nutricionais da futura mã, não só para corresponder as suas necessidades, como também as do feto. Embora uma mãe desnutrida possa gerar uma criança sadia, estudos de nutrição em mulheres durante a gestação, tem mostrado uma relação definitiva entre a dieta da mãe e as condições do bebe ao nascer.
É recomendada uma cota energética adicional diária de 300 calorias, para satisfazer o gasto energético da gestante. A ingestão de todos os nutrientes deve ser aumentada, porém, é importante lembrar, que a mãe não precisa se alimentar por dois, apenas mudar a alimentação e ingerir as 300 calorias extras.
Segue abaixo uma relação dos tipos de alimentos e a quantidade a ser consumida diariamente:
  • Leite e derivados: 5 porções  (1 porção = 1 copo de  200 ml de leite ou 1 copo de iogurte ou 1 pedaço médio de queijo ou 1 colher de sopa de requeijão)
  • Carnes: 2 porções ( 1 porção = 1 bife médio de carne de boi, frango, peixe, peru ou 2 ovos cozidos)
  • Pães e cereais: 5 porções (1 porção = 1 pãozinho ou 2 fatias de pão de forma ou 2 colheres de sopa de arroz ou outro cereal ou 1 batata media)
  • Leguminosas: 2 porções ( 1 porção = 2 colheres de sopa de leguminosa)
  • Verduras: 2 porções (1 porção = 3 colheres de sopa de verdura cozida ou 1 prato de sobremesa raso de verdura crua)
  • Legumes: 2 porções ( 1 porção = 3 colheres de sopa de legume)
  • Frutas: 3 porções (1 porção = 1 unidade)    
Eventualmente podem ser consumidos alimentos como bolo, chocolates e doces, mas com uma frequência semanal, pois a gordura e o açúcar em excesso se tornam prejudiciais, pela alta incidência de vomitos e fazem com que a gestante ganhe alguns quilos a mais do que deveria, acarretando uma certa dificuldade em perde-los após o parto.

VOMITOS

Durante o primeiro trimestre da gestação, a futura mãe poderá sofrer náuseas. Certos alimentos que antes eram consumidos sem dificuldade, agora podem provocar desagrado (as gorduras são causas comuns de distúrbios). Os líquidos tomados às refeições, também podem precipitar o vomito. Dica: A ingestão de torradas ou alguns biscoitos tipo cracker ao acordar, pode ajudar a eliminar o enjôo.
Refeições pequenas e constantes, consistindo de alimentos como cereal bem cozido, torrada com geleia, batatas assadas e biscoitos salgados, servidos a intervalos de 2 horas, em geral, são bem tolerados inicialmente.
Os líquidos devem ser tomados entre as refeições, mas não durante as mesmas. O leite desnatado pode ser mais bem aceito que o integral.
Frequentemente, a náusea desaparece no meio do dia e a mulher poderá preencher suas necessidades nutricionais pelo aumento da ingestão de alimentos durante a tarde, no jantar e antes de dormir. Se o vômito persistir e tornar-se nocivo, haverá necessidade de cuidados médicos.

maiores informações - www.dietnet.com.br